Seja bem vindo!

Bem vindo ao Blog "Deus ajuda só a quem cedo madruga?"



Este espaço abrange textos sobre divulgação científica, cronobiologia, ritmos biológicos, tempo e também serve como um projeto em andamento de intersecção entre ciência&música


Boa leitura, comentários são bem vindos.



Um Abraço



Leandro Duarte



QUE HORAS SÃO?

terça-feira, 31 de julho de 2012

Curiosidades sobre o Infarto Agudo do Miocárdio e Cronobiologia

          O infarto agudo do miocárdio é um evento de grande relevância clínica que requer internação hospitalar. O diagnóstico clínico é relativamente simples e bem estabelecido, geralmente baseado no tripé história clínica, evolução eletrocardiográfica e determinação dos níveis de algumas enzimas. É um dos diagnósticos mais frequentes nos pacientes hospitalizados nos países ocidentais. A despeito do grande acúmulo de conhecimentos acerca da etologia, fisiopatologia, epidemiologia, história natural diagnóstico e tratamento das doenças cardiovasculares, nos últimos 50 anos, elas continuam sendo o mais importante grupo de causas de morbidade e mortalidade a partir da quarta década de vida. Entre os fatores de risco conhecidos destacam-se: idade, gênero, hipercolesterolemia, hipertensão, diabetes mellitus, obesidade, hábito de fumar, vida sedentária, estresse psicológico e antecedentes familiares, entre outros.
Destaco dois trabalhos interessantes que abordam a questão cronobiológica do infarto agudo do miocárdio. Um deles foi feito na região de Ribeirão Preto-SP e teve como objetivo estudar a variação semanal da hospitalizações por infarto. E qual o dia foi o mais prevalente? Nas segundas-ferias dizem os autores. Eles discutem muito bem os achados e concluem em concordancia com outros autores que a segunda-feira significa a transição entre um período de atividades livre para um período de atividades programadas, daí um estresse engatilhado pelo início da semana. E realmente, nas segundas-feiras ocorre um fenômeno chamdo de dessincronização interna temporária, pois, no final de semana a sincronização de nosso relógio biológico passa por grandes modificações (sábado e domingo sem a sincronização pelo trabalho para a maioria das pessoas). Notamos na segunda-feira um grande mau humor, fadiga, sonolência e mal estar que não se devem apenas pela longa distância do próximo final de semana (sexta-feira chegue logo!) mas também pela dessincronização de nossos relógios biológicos durante o final de semana recém terminado.



O outro trabalho interessantíssimo foi o que os autores apontam um horário do dia específico que o infarto mais ocorre: as 10 horas da manhã. Na verdade, dizem eles, a frequência de infarto agudo do miocárdio é maior entre as 8:00 e as 14:59 comparados com outros horários do dia. Podemos com base na figura abaixo admitir que os inícios dos sintomas e os infartos ocorrem com maior frequência durante a parte da manhã. 




A explicação é bacana. Nos horários matutinos combinam-se vários fatores que podem resultar na ruptura da placa aterosclerótica e trombose o que, parando nas artérias coronárias vem ser a causa do infarto agudo do miocárdio. Estes fatores são o aumento na pressão sanguínea arterial, aumento da estimulação hormonal de adrenalina e aumento dos níveis de cortisol, e finalmente a hiper-reactividade das plaquetas. Todos esses fatores agindo pela manhã facilitam a ocorrência dos infartos nessas horas.
Então, se pensarmos nesses dois “dados” cronobiológicos, um paciente cardíaco deve estar atento às segundas-feiras e, mais importante, ao cuidado redobrado em todas as manhãs. As drogas para controlar a pressão alta, nesses casos, devem ser administradas antes de dormir para que na manhã seguinte haja o efeito desejado de queda na pressão e diminuição da probabilidade de infarto.



Rev. Saúde Pública v.34 n.2 São Paulo abr. 2000. Hospitalizações por infarto agudo do miocárdio segundo o dia da semana: estudo retrospectivo. 
Juan S Yazlle Rocha e Gleiton C M Silva


American Heart Journal V.163 n.2 2011. Circadian variations of ischemic burden among patients with myocardial infarction undergoing primary percutaneous coronary intervention
Stephane Fournie, Eric Eeckhout, Fabio Mangiacapra, Catalina Trana, Nathalie Lauriers, RC, Ahmed T. Beggah, Pierre Monney, Stephane Cook, Daniel Bardy, Pierre Vogt, Olivier Muller.